Início » Pesquisar » Não terceirize a culpa

Não terceirize a culpa

O que fazer para evitar as armadilhas do baixo-astral no ambiente de trabalho?

O baixo-astral é contagiante. No ambiente de trabalho, é pior ainda. Rouba um tempo enorme e consome uma energia desnecessária. Se você anda reclamando de tudo – do gosto do cafezinho à voz aguda da secretária -, se compara aos colegas o tempo todo e passa mais tempo fofocando que trabalhando de fato, cuidado: você caiu numa armadilha corporativa. Perdeu o foco, a auto-estima e o entusiasmo. Romper esse ciclo vicioso não é fácil, até porque é mais simples enxergar problema nos outros que procurar respostas em si mesmo. “Isso é terceirizar culpa. Se você quer crescer, é hora de olhar para o próprio umbigo”, diz Willian Bull, da consultoria Mercer Human Resource. “Ninguém é obrigado a ficar num trabalho se não quer. Todo mundo tem direito de escolha, ainda que não seja a que pague melhor”, diz. Antes de tomar qualquer decisão radical, experimente virar o disco. Um site do governo e de empresas de recursos humanos do Canadá listou algumas atitudes simples que podem ajudar o profissional a reencontrar a motivação pelo trabalho.

1) Evite comparações

Em casos extremos, o excesso vira complexo de perseguição. Gastar o tempo comparando como os colegas são tratados – se são mais ou menos protegidos, mais bem ou mal pagos, se trabalham muito ou pouco – não leva ninguém a lugar nenhum. Se você acha que está sendo realmente injustiçado, veja se é possível fazer algo para mudar a situação. Caso contrário, pare para pensar se está no lugar certo e para onde quer levar sua carreira. Respirar fundo também nunca é demais.

2) Fuja de fofocas

É o inimigo da produtividade. Quando se fofoca muito, trabalha-se pouco. É perda de tempo e de energia. Cria um ambiente de trabalho de desconfiança e de mentiras. E nem é preciso ser o autor da fofoca para cair nessa armadilha. Só o fato de ouvir vira um problema. Para evitar essa praga corporativa, invente desculpas, como dizer que vai fazer uma ligação, ou simplesmente mude de assunto quando alguém começa a falar da vida alheia. Mudar de “turma” e se aproximar de colegas mais focados pode ser um bom caminho.

3) Reclamar não adianta

O típico “reclamão” é, antes de tudo, um chato. Antes de dar bom dia, vai logo disparando seu arsenal de problemas: o carro que não pega, o café amargo, o chefe bravo, o fornecedor chato, a reunião que atrasa e por aí vai. Nenhum ambiente de trabalho é perfeito. Problemas aparecem o tempo inteiro. Reclamar por reclamar só torna insuportável o que já era ruim. Além disso, é péssimo para a reputação do funcionário, reduz a auto-estima e afeta o astral dos outros colegas de trabalho. Quando a situação se torna insustentável – e tudo o que podia ser feito para melhorar foi tentado -, é hora de pedir uma transferência para novas áreas ou a demissão. “Todo mundo tem sua válvula de escape, seus minutos para xingar, reclamar. Mas não dá para alimentar o baixo-astral. É preciso romper esse ciclo vicioso, ir para novas áreas, buscar o restinho da gasolina que ainda resta”, diz Willian Bull, da Mercer.

4) Procure um conselheiro

O funcionário desmotivado é isca fácil para o baixo-astral. Está sujeito a fazer comparações, a fofocar, a reclamar ou a fazer as três coisas ao mesmo tempo. Muitas vezes, ele faz isso porque está no lugar errado. Há quem passe uma vida inteira colocando a culpa nos outros e esqueça de olhar para o próprio umbigo. Um conselheiro profissional, também conhecido como coaching, cai bem nessa hora. É ele quem vai apontar seus defeitos (dizer o que ninguém tem coragem e você nunca percebeu), suas qualidades, sugerir novos caminhos profissionais, ajudar a redescobrir o entusiasmo. “Nessa hora, vale buscar o desconforto, alguém que pense diferente, que veja com distanciamento”, diz Bull.

Seis passos para livrar o ambiente da culpa

Quando se delega as responsabilidades com equilíbrio, cada pessoa da equipe assume sua tarefa perante os outros sem medo. Porém, o que fazer quando surgirem erros ou maus resultados no trabalho em grupo?

Bem, é possível solucionar os problemas também em conjunto, sem que haja a necessiadade de perguntar de quem foi a culpa quando algo saiu mal. Segundo o autor Sid Kemp, “criar um ambiente de trabalho livre de culpa requer um esforço constante da equipe, e você (dono do negócio) tem a tarefa de guiar esse esforço e de velar para que tudo siga nessa direção”.

Kemp mostra seis passos para conseguir livrar o ambiente de culpa:

1) Reconhecer que a culpa existe. É algo que criamos todos juntos e que temos que trabalhar em conjunto para eliminar;

2) Reconhecer que a culpa não acrescenta nada à produtividade. A culpa é algo estático, que interfere na comunicação, que traz lentidão aos processos e que reduz a produtividade;

3) Comprometer-se com o ambiente laboral de uma equipe, baseado no respeito e na ideia de que todo mundo é um adulto que quer fazer o melhor possível em seu trabalho;

4) Manter um trabalho bem estruturado, uma posição adequada para criar;

5) Estabelecer reuniões regulares e eficientes para obter informações da situação e marcar a direção adequada a ser seguida;

6) Receber informes sobre a posição de cada membro do grupo, insistindo em saber a verdade, inclusive quando soubermos que as notícias serão negativas.

Impulsione Seus Negócios: consulte um especialista agora mesmo!

Fale Conosco

Saiba mais em: Matérias & Reportagens

Páginas mais visitadas:

Gráfica Muito Mais Barata – Tabela de Preços l Site Nota 10 – Criação de Sites l Lojas Virtuais l Comunicação Visual l Fotos Profissionais l Criação de Marcas de Sucesso – Criação de uma Identidade Visual Vencedora l Impulsione Seus Negócios: Matérias & Reportagens l Os Melhores Sites do Brasil: Portfólio do Site Nota 10 l Fale Conosco